Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Partes da Sociedade

por Nuno Edgar Fernandes, em 08.07.13

As partes da Soma não são iguais á soma das Partes. Este quase aforismo quantitativo aplica-se com exactidão a uma análise justa das Sociedades Humanas. No entanto a relação de igualdade será porventura o pecado original do evidente desencontro. Seremos pois mais justos e sérios se nos focarmos nas fronteiras que separam as partes.

A moderna Análise e Estudo de sistemas complexos, sendo estes Físicos ou Humanos, e mesmo que consideremos os sistemas Humanos talvez mais que meramente complexos é precisamente, pormenorizado, denso e quase obcecado com as fronteiras entre os vários componentes ou partes desses sistemas. E é importante sublinhar o carácter dinâmico da relação entre as partes. Aliás a própria noção de complexidade é inerente e subsidiária á noção de Dinâmica. Todos os processos de Transição e mudança são processos dinâmicos e de dinâmicas na fronteira entre as partes.

O que pretendo dizer com esta linha de Consciência não é apenas descrição estrutural. Seria tautológico. Onde pretendo chegar prende-se com a relação entre o que está dentro das partes, as suas fronteiras e as outras partes do outro lado da fronteira.

As Sociedades Humanas poderão ser o exemplo máximo para estudo destas complexas conexões entre as partes, o seu conteúdo e as fronteiras que as separam. Mas qualquer estudo e análise tem normalmente um propósito e objectivo que lhe subjaz. Então qual é ou poderá ser os objectivos que subjazem ao estudo das complexas conexões nas Sociedades Humanas?

Tenho para mim a convicção que o estudo por si só tem sempre valor, considero ser o Conhecimento pilar essencial de fundação e estrutura de qualquer Sociedade que se diz e quer ser desenvolvida, mais digna e culturalmente dentro do que refere como avançada. Porém este estudo assume especial relevância em tais períodos como os de mudança e transição. Como é sabido Portugal é país com limitações várias e de vária ordem e a nossa contemporaneidade é ainda mais séria quanto aos efeitos dessas limitações; mesmo assim julgo de muito especial importância o apoio, o incentivo e a iniciativa de Consciência colectiva de encetar o maior número possível de estudos e análises da nossa Sociedade, com o  maior rigor Científico possível e porque francamente não assim tão dispendiosos quanto isso no nosso tempo e era de tecnologia avançada e disponível.

E considero que estes estudos terão propósitos maiores se se inserirem na urgente discussão que se desenrola ou pode vir a desenrolar-se em torno da questão da Reforma do Estado. O Estado é, para mais ou para menos e para propósitos práticos, a Soma do aforismo inicial. E é precisamente o Estado e a sua inerente qualidade e identidade que é a premissa inicial para a urgência dos propósitos dos estudos e análises que deveremos apoiar e incentivar. Precisamente porque o Estado em Portugal reflecte, como reflecte em qualquer outra Comunidade ou Sociedade o que realmente se passa, mesmo que por omissão no resto da Sociedade (com todas as suas partes e fronteiras); e porque precisamente temos um Estado que apesar de moderno, democrático e relativamente sólido e estável, necessita de urgente Reforma.

Mas o Estado, não nos esqueçamos é o fim e não o início da nossa demanda. Penso mesmo que os Portugueses tem uma insuficiente e mesmo desadequada Consciência de Estado. Apesar de quase 40 anos de Democracia; existe atitude perante o Estado anacrónica, atávica e mesmo má;  mesmo arriscando ser demasiado contundente é algo que sentimos por sermos Portugueses que aqui nasceram e viveram a maior parte das nossas vidas e que nos entra e quase desrespeita na sua muito deselegante e errada atitude! A Consciência é má porque parece olhar para a Instituição Estado com excessivo paternalismo. E é má porque incapaz de proteger o melhor que o Estado tem de certas partes da Sociedade que talvez não estejam muito interessadas na  Real qualidade do Estado! Não acredito que estas insuficiências culturais tenham de ser fatalismos. Porque nos Sistemas Complexos tudo muda e tudo avança e o Estado em Portugal não será excepção! Que o façamos para o bem de todas as Partes!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:21



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D